Vai para o jogo? Götze se recupera, mas escalação na final segue no ar

Extraído de: LanceNet   Maio 03, 2013

Já acertado com o Bayern de Munique, meia alemão pode ter início terrível de carreira no novo clube caso ajude o rival a vencer a Liga dos Campeões


O meia Mario Götze assustou os torcedores do Borussia Dortmuns ao sair mancando no início da semifinal da Liga dos Campeões, contra o Real Madrid . No entanto, o jogador fez exames e não deve ser problema para a grande decisão, que será disputada contra o rival Bayern de Munique.

Mesmo liberado clinicamente, Götze pode ficar fora da final, mas não por motivos técnicos, afinal é um dos principais jogadores do Dortmund. O problema é ético: o alemão já está acertado com o adversário da decisão.

Na semana passada, um dia antes do jogo de ida contra o Real, o Borussia anunciou que Götze tinha pedido sua liberação para assinar com o Bayern, que pagaria sua multa rescisória (na casa dos 37 milhões de euros - R$ 97,3 milhões).

Após as classificações da atual e da futura equipe de Götze para a final, começou uma discussão sobre sua presença em campo. Se o meia tiver boa atuação e ajudar o Dortmund a conquistar o título, que tipo de recepção ele receberá no novo clube? E se ele jogar mal e o Borussia perder, o que poderá ser dito a seu favor para os torcedores, já magoados pela saída repentina para o rival?

Consultado pelo LANCE!Net, o repórter Thomas Hiete, da revista alemã "Kicker", confidenciou que o jogador está focado no título e quer entrar em campo, sem se importar se isso atrapalhará seu novo clube:

 - Não acompanho o Dortmund como gostaria, mas meus colegas dizerm que Götze segue comprometido com o título. Ele quer e deve entrar em campo. Sem ele, o Borussia tem poucas chances de triunfar.

EXEMPLO

O ex-lateral Cacá viveu história parecida no Carioca de 1957. Já acertado com o Botafogo , ele entrou em campo na final vestindo as cores do Fluminense . Em entrevista ao L!Net, o ex-jogador, atualmente um engenheiro aposentado, aconselhou Götze a jogar:

 - Olha, eu sou da opinião de que o profissional tem que sempre dar tudo de si. Se ele não estiver machucado, tem que jogar, ir para campo e tentar ganhar como eu fiz. A única coisa que o profissional controla é sua própria vontade, é a única maneira pela qual ele se impõe.

COM A PALAVRA
Rafael Plastina, diretor da Nielsen Sports e membro da Academia LANCE!, sobre as consequências na imagem de Götze

"O Borussia deve proteger a instituição e o patrimônio, que é o jogador, que contribuiu para ir à final, e com o dinheiro que entrou com isso. Pela parte do jogador: silêncio total. Nenhuma manifestação, seja de forma oficial ou não. Parte da torcida é radical, e qualquer frase pode fazer mais barulho que o necessário.

Se ele for o "carrasco" do Bayern de Munique, seu futuro clube terá que trabalhar a imagem de um dos jogadores mais éticos da História, além de vencedor".

Autor: João Vitor Xavier e Thiago Correia


 

 
Deixe seu comentário



Siga o Esporte Brasil
BRASIL
Notícias